Depois de ler nos blogues nlivros e Há Vida em Marta  excelentes comentários sobre este livro, resolvi também fazer esta viagem pelas páginas de Yasmina Khadra.
Gosto da capa e adoro o título :)



«O meu tio dizia-me: ‘Se uma mulher te amar, e se tiveres a presença de espírito para avaliar a extensão desse privilégio, nenhuma divindade te chegará aos calcanhares.’ Orão sustinha a respiração nessa Primavera de 1962. A guerra iniciava as suas derradeiras loucuras. Eu procurava Émilie. Tinha medo por ela. Tinha necessidade dela. Amava-a e regressava para lho provar. Sentia-me capaz de enfrentar furacões, trovões, todos os anátemas e as misérias do mundo inteiro.»

Yasmina Khadra oferece-nos neste livro um grande romance da Argélia colonial (entre 1936 e 1962) — uma Argélia torrencial, apaixonada e dolorosa — e lança uma nova luz, numa escrita soberba e com a generosidade que se lhe reconhece, sobre a separação atroz de duas comunidades apaixonadas por um mesmo país.

Informações sobre o livro aqui

2 comentários:

    On 29 março, 2012 Iceman disse...

    Um livro excelente que me comoveu.

    Este é dos tais que qualquer leitor deve viajar pelas suas páginas.

     
    On 29 março, 2012 Paula disse...

    Já tenho o livro, agora é terminar a leitura que tenho entre mãos e embarcar nesta :D

     

Blogger Templates by Blog Forum