PASSATEMPOS!

Uma vez mais, foram muitos os seguidores que se habilitaram ao exemplar disponibilizado para sorteio "Também me salvaste", publicado pela Sinais de Fogo.

Desta vez o livro calhou a...

Liliana Boaventura, da Amadora.

Parabéns.

Após mais uma votação, "Quatro amigos", de David Trueba, alcançou mais de metade dos votos.
Será este o livro que leremos em conjunto.
Quem quiser que se junte a nós.
Em Janeiro daremos a nossa opinião.

E a vencedora do passatempo é...

Teresa Maria Valente de Carvalho

Parabéns e boas leituras!!!!!!

Não digas nada, Mary Kubica

Opinião:
Mary Kubica, traz-nos uma narrativa repleta de mistério e acção, sobre uma família que, como (quase) todas as famílias, parece perfeita. 
As relações humanas estão no cerne deste enredo... todo ele é pautado por sentimentos profundos ou por falta destes! 
A autora, mostra-nos que a ausência de ligações para com os nossos mais próximos, podem desencadear acções contraditórias que podem ter efeitos desastrosos (ou não). 
Há, neste romance, um especial realce para o (frágil) poder que o ser humano tem sobre si mesmo. 
A escrita da autora é bastante cinematográfica, o que para mim foi bastante positivo, pois consegui visualizar muitas das acções como de um filme se tratasse! 
Mia Dannet, a personagem principal, é filha de um Juiz de renome, o seu rapto está directamente ligado à profissão do pai (pois assim parece). 
Confesso que a determinada altura andei às voltas a ver quem era o "culpado", mas fiquei muito longe de adivinhar! Kubica, brinca com as situações narradas e com o próprio leitor, causando assim a dúvida constante sobre o próximo passo das personagens e sobre o fim da história.

Gostei e recomendo!

Sinopse:
Um thriller psicológico intenso e de leitura compulsiva, Não Digas Nada revela como, mesmo numa família perfeita, nada é o que parece.
Tenho andado a segui-la nos últimos dias. Sei onde faz as compras de supermercado, a que lavandaria vai, onde trabalha. Nunca falei com ela. Não lhe reconheceria o tom de voz. Não sei a cor dos olhos dela ou como eles ficam quando está assustada. Mas vou saber.
Filha de um juiz de sucesso e de uma figura do jet set reprimida, Mia Dennett sempre lutou contra a vida privilegiada dos pais, e tem um trabalho simples como professora de artes visuais numa escola secundária. 
Certa noite, Mia decide, inadvertidamente, sair com um estranho que acabou de conhecer num bar. À primeira vista, Colin Thatcher parece ser um homem modesto e inofensivo. Mas acompanhá-lo acabará por se tornar o pior erro da vida de Mia.

É assim :)




Bom dia.
Nós andamos a ler estes:





E vocês?
E, desta feita, temos um passatempo para os mais jovens. Um exemplar do livro Quem deu um pum? de Ana Garcia Martins.
Para participarem, basta preencher o formulário e respeitar as regras!



Regras do Passatempo:
-O passatempo começa hoje, dia 29 de Setembro, e termina às 23.59h do dia 5 de Outubro de 2014. 
-O participante vencedor será escolhido aleatoriamente;
-O vencedor será contactado via e-mail;
-Apenas poderão participar residentes em Portugal e só será permitida uma participação por residência.
-Ser Seguidor do blogue (para ser seguidor, basta clicar em “seguidores” na barra lateral direita)
-O blogue não se responsabiliza pelo extravio de livros.

Formulário:


Boa sorte aos participantes!

O passatempo consiste em enviar uma foto cuja leitura seja uma obra da Presença.
Fica o link para verem as fotos dos participantes ou para participarem!



Sinopse
«Há dezassete dias que não durmo.»
Assim tem início a história que Haruki Murakami imaginou e escreveu sobre uma mulher que, certo dia, deixou de conseguir dormir. Pela calada da noite, enquanto o marido e o filho dormem o sono dos justos, ela começa uma segunda vida. E, de um momento para o outro, as noites tornam-se de longe mais interessantes do que os dias... mas também, escusado será dizer, mais perigosas.

Opinião
Delicado. Fatalista. Dimensionado.
“Sono” é um pequeno livro de Murakami onde se encontram retratados os dias e as noites de uma mulher vítima de uma estranha e repentina onda de insónias. Na Verdade, e apesar de o período não ultrapassar as tais dezassete noites sem dormir, a narrativa aborda toda a sua vida. Nessas noites passadas em claro, e acompanhadas por tudo aquilo que a personagem deixou para trás – os seus pequenos prazeres esquecidos há muito: os livros, a bebida, o chocolate, a natação –, ela vive tudo aquilo que deixou de viver a partir do momento em que decidiu partilhar o seu dia-a-dia com outra pessoa.
Noutra perspectiva, a ausência de sono parece ser proporcional à energia que vai sentindo nas tarefas que realiza com gosto. Tudo, porém, tem um limite, ou nem por isso.
Há um paralelismo muito interessante que liga o sono à vida e o autor explora isso de um modo que lhe é característico.
“Sono” é uma espécie de estado embrionário quando comparado com as suas grandes obras, quase como uma iniciação para o que aí vem.
Aqui está um novo passatempo. Desta vez, sorteamos um exemplar de "Também me salvaste", publicado pela Sinais de Fogo.

Regras do Passatempo:
-O passatempo começa hoje, dia 24 de Setembro, e termina às 23.59h do dia 1 de Outubro de 2014. 
-O participante vencedor será escolhido aleatoriamente;
-O vencedor será contactado via e-mail;
-Apenas poderão participar residentes em Portugal e só será permitida uma participação por residência.
-Ser Seguidor do blogue (para ser seguidor, basta clicar em “seguidores” na barra lateral direita)
-O blogue não se responsabiliza pelo extravio de livros.



Boa sorte!
Sinopse
Uma extraordinária história real de amor e amizade entre uma jovem mãe e um idoso sobrevivente do Holocausto. Uma escrita sensível e profunda, que nos conta, a duas vozes, a terrível experiência vivida por esse sobrevivente e a forte ligação que ambos desenvolvem.

Opinião
Trágico. Solidário. Optimista.
Este é um livro estranho, confesso. E esse facto nada tem de depreciativo. A questão é: será possível tornar um testemunho horrendo numa história positiva? A verdade é que a autora consegue, muito por culpa da personalidade do protagonista, um judeu no final do seu tempo de vida com quem a autora partilhou uma amizade de muitos anos.
Apesar da diferença de idades, uma ligação inquebrável acabou por se estabelecer entre eles e “Também me salvaste” relata não só as atrocidades que o personagem principal sofreu nos campos nazis, como também a forma como o próprio acabou por encarar a vida e o destino que lhe estava reservado.
Trata-se de uma história de um vencedor num tempo e num meio onde toda a gente perdeu.
Aconselho a sua leitura para quem quer ver o Holocausto através de um olhar diferente.


Opinião:
E chega ao blogue o livro infantil (tão aguardado) de Ana Garcia Martins, autora do blogue A Pipoca Mais Doce, blogue que todos conhecem ou já ouviram falar! E se conhecem o blogue, conhecem o pequeno Mateus, a quem o livro é dedicado!


Esta obra é composta por uma história simples e divertida que retrata momentos da vida em família, onde pai, mãe, avós e irmãos interagem ora divertindo-se, ora reagindo a certas afirmações! Afinal não se pode acusar as pessoas de darem puns quando realmente não dão! O pequeno Mateus diverte-se olhando em redor, mas nada pode dizer, pois ainda não fala, é apenas um lindo bebé que faz traquinices e que passa despercebido! Até o pobre do Manolo não escapa às acusações!

O livro, está recheado de belas ilustrações coloridas que, tal como a sua linguagem simples, capta a atenção dos mais pequenos!


Uma história que vai divertir os nossos leitores de palmo e meio.


Sinopse:
Há um cheiro estranho pela casa. Um misto de esgoto com ovos estragados que está a dar com a mãe em doida. Afinal, é só um cheiro a pum. Mas quem o terá dado?
O Mateus é o bebé mais especial do mundo. Faz fita para comer, luta para não dormir, gatinha pela casa toda, puxa o rabo ao cão, chora porque sim, quer colo a toda a hora. Mas… os bebés não são todos assim? São, claro, mas para as suas mães são sempre especiais. Para a mãe Ana Garcia Martins, autora do blogue A Pipoca Mais Doce, não podia ser diferente, por isso decidiu contar as proezas e as malandrices do seu bebé numa coleção que só podia ter um nome: Mateus.

Quem deu um pum?
de Ana Garcia Martins
Código: 72761
Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 32
Editor: Porto Editora
ISBN: 978-972-0-72761-9
Coleção: MATEUS

Estejam atentos, vamos ter passatempo!!!!
Desta vez trazemos os seguintes autores:

"Quatro Amigos", David Trueba
"O Evangelho Segundo Jesus Cristo", José Saramago
"Hollywood", Charles Bukowski
"A Filha das Flores", Vanessa da Mata

Escolham e votem.
Nós lemos e opinamos.
O vencedor do passatempo "O Oficial e o Espião", de Robert Harris, publicado pela Editorial Presença, foi:

Lígia Casimiro, de Aveiro.

Parabéns!

Esta semana estamos com:

 

 

E vocês?


De um destes é que eu gostava!


Talvez mande fazer!

retirado daqui
E com o lançamento do livro de Ken Follett, No Limiar da Eternidade, o blogue em parceria com a Editorial Presença, tem para oferecer um exemplar de "A Queda dos Gigantes".
Assim, quem ainda não começou a ler a trilogia, pode tentar ganhar o Livro I!!
Para participar, basta preencher o formulário e seguir as regras!




Regras do Passatempo:
-O passatempo começa hoje, dia 16 de Setembro, e termina às 23.59h do dia 30 de Setembro de 2014. 
-O participante vencedor será escolhido aleatoriamente;
-O vencedor será contactado via e-mail;
-Apenas poderão participar residentes em Portugal e só será permitida uma participação por residência.
-Ser Seguidor do blogue (para ser seguidor, basta clicar em “seguidores” na barra lateral direita)
-O blogue não se responsabiliza pelo extravio de livros.


A Queda dos Gigantes
Livro I

Sinopse: Ken Follett, esse grande mestre do romance, publica uma nova obra de grande fôlego histórico, a trilogia O Século, que atravessará todo o conturbado século XX. Neste primeiro volume, travamos conhecimento com as cinco famílias que nas suas sucessivas gerações serão as grandes protagonistas da trilogia. Mas não esgotam a vasta galeria de personagens, incluindo figuras reais como Winston Churchill, Lenine ou Trotsky, que irão cruzar-se uma complexa rede de relações, no quadro da Primeira Grande Guerra, da Revolução Russa e do movimento sufragista feminino. Um extraordinário fresco, excepcional no rigor da investigação e brilhante na reconstrução dos tempos e das mentalidades da época.

Formulário
PASSATEMPO ENCERRADO

Boa sorte aos participantes!


Por aqui lemos...



E por ai? O que andam a ler??



AGOSTO

Taiti/ EUA/ Peru/ Brasil/ Inglaterra/ França/ Holanda/ Noruega/ Suiça

Charles Bukowski

Pronto.
Está decidido.
Vou fazer uma afirmação:
há muita qualidade em determinados catálogos editoriais!

Dois livros de Charles Bukowski em Setembro e Outubro?!
Venham eles.

Setembro:
"A mulher mais bonita da cidade" - Alfaguarra


Outubro:
"Música para Água Ardente" - Antígona (a capa ainda não foi divulgada)

Segue o passatempo de uma das novidades do momento!
Trata-se do mais recente livro de Robert Harris, publicado pela Editorial Presença.


Para participar basta seguir as regras do passatempo e preencher o formulário.

Regras do Passatempo:
-O passatempo começa hoje, dia 12 de Setembro, e termina às 23.59h do dia 19 de Setembro de 2014. 
-O participante vencedor será escolhido aleatoriamente;
-O vencedor será contactado via e-mail;
-Apenas poderão participar residentes em Portugal e só será permitida uma participação por residência.
-Ser Seguidor do blogue (para ser seguidor, basta clicar em “seguidores” na barra lateral direita)

-O blogue não se responsabiliza pelo extravio de livros.

Formulário


Boa sorte aos participantes!
Sinopse
Este romance baseia-se, tão ao gosto do autor, num caso histórico que ficou como exemplo de injustiça, corrupção e preconceito e em que se envolveram muitas outras personalidades históricas bem conhecidas. Trata-se do drama cuja personalidade central foi Alfred Dreyfus, acusado de ter vendido informações aos serviços secretos alemães, que foi condenado e deportado para Ilha do Diabo, na Guiana Francesa. Robert Harris narra-o na primeira pessoa, pela voz de um oficial de nome Picquart, uma figura discreta na vida real, mas que aqui se transforma na figura principal. Este personagem vem a descobrir a inocência de Dreyfus e persiste em repor a verdade dos factos, sofrendo com isso pesadas consequências. 
O Oficial e o Espião pode ser lido como um magnífico thriller histórico que recria de modo convincente um dos mais famosos casos de corrupção judicial.

Opinião
Intrigante. Fluido. Interessante.
De toda a obra de Robert Harris traduzida para português apenas me falta ler “Lustrum”, a continuação da brilhante narrativa sobre Cícero, também publicada pela Editorial Presença, que já está nas estantes lá de casa. Isto diz muito acerca do meu sentimento relativamente a este autor. É, a meu ver, o melhor historiador/ autor dos últimos tempos.
Em “O Oficial e o Espião” as personagens, oficiais do exército francês, estão enquadradas numa sociedade altamente instável, rodeada de inimigos e de gente que não sendo considerada inimiga o poderá ser. É nesse panorama que o protagonista se vê envolvido, mais ainda quando se vai apercebendo que os culpados poderão afinal não ser assim tão culpados e que não existem inocentes quando o tema do jogo que nele é peão se baseia na política da Europa.
Todo o enredo vai decorrendo sem sobressaltos e os novos dados são-nos apresentados lentamente, quase como se fosse a ordem natural dos acontecimentos. Esta situação é, aliás, uma característica do autor comum em todos os seus livros.
Nesta história verídica Robert Harris coloca o dedo em muitas feridas, autênticos cancros sociais dos finais do século XIX, que, curiosamente, persistem nos dias que correm. Fraude, antissemitismo, corrupção, influência de interesses, traição, justiça, ocultação de factos são algumas ocorrências que o autor explorou e que acabaram por manchar a História recente da França.
Não sendo o meu livro favorito de Harris, aconselho a sua leitura, principalmente para quem gosta de espionagem, intrigas e História.

11 de Setembro

Se há dias bons para lembrar dias maus, este é um deles.
Este livro tornou os meus dias melhores enquanto me fez companhia.

Opinião: 
Esta é uma bela história que começa em 1800 com o nascimento de Alma – aquela que vai dar vida a esta narrativa. Vamos acompanhar Alma no seu gosto pela natureza e consequentemente pela vida humana. Apaixonada por botânica, vai viver experiências únicas como naturista e como mulher! Vai experienciar a riqueza e as virtudes da pobreza e no conhecimento vai igualar-se a Wallace e Darwin.

Esta narrativa, composta 617 páginas, maravilha-nos com a beleza das flores e as atitudes dos personagens! Não é uma leitura que se faz de forma ávida, faz-se (por opção) de forma lenta com o intuito de apreciar cada fragmento da história. Nesta viagem, que nos leva a Londres, Peru, Filadélfia, Taiti e Amesterdão, percorremos os avanços da ciência, da religião, a luta pela igualdade, os movimentos abolicionistas…

Ao chegar à última página, somos invadidos por aquele sentimento nostálgico de fechar o livro e deixar lá os personagens!

Adorei e aconselho!


Sinopse:
Um romance envolvente e magnífico acerca do desejo, da ambição e da sede de conhecimento da autora de Comer, Orar, Amar.
Uma história de amor, aventura e descoberta que atravessa grande parte dos séculos XVIII e XIX. O livro segue o destino de Alma Whittaker, filha de um ousado e carismático investigador botânico, que também se apaixona pelas plantas e pela ciência. 
À medida que os estudos de Alma a levam mais fundo nos mistérios da evolução, o homem que ela ama arrasta-a na direção oposta, para o reino do espiritual, do divino e do mágico. Alma é uma cientista de mente clara; Ambrose é um artista utópico. Mas aquilo que realmente os une é uma paixão partilhada pelo saber, uma necessidade desesperada de compreender a maneira como o mundo funciona e os mecanismos inerentes à vida.
Com uma investigação apurada e um ritmo imparável, este romance ambicioso atravessa o globo - de Londres ao Peru, a Filadélfia, ao Taiti e a Amesterdão. Pelo caminho, vai sendo povoado de personagens inesquecíveis: missionários, abolicionistas, aventureiros, astrónomos, capitães de navios, génios e loucos. Mas a mais memorável das histórias é a de Alma, que é testemunha de um momento extraordinário da história da humanidade, em que as velhas certezas acerca da ciência, da religião, do comércio e de classe se desmoronavam e davam lugar a novas ideias. Escrita com o espírito ousado e inquisitivo da época, a história sábia, profunda e encantadora de Gilbert irá seguramente cativar a mente e o coração dos leitores…

Ideias

Mais vale um sorriso por sorrir do que mil sorrisos sem sorrir.


Donna Tartt!!

Há alguns anos li "A História Secreta" de Tartt e é daquelas histórias que nos marcam e nos ficam na memória. Li, depois "O Pequeno Amigo", mas este foram só metade das páginas, pois a história não me cativou. No entanto, assim que eu vi que a Editorial Presença ia lançar "O Pintassilgo" pensei: TENHO DE LER!!!!



O Pintassilgo
Prémio Pulitzer 2014

Sinopse: Theo Decker, um adolescente de 13 anos, vive em Nova Iorque com a mãe com quem partilha uma relação muito próxima e que é a figura parental única, após a separação dos pais pouco antes do trágico acontecimento que dá início a este romance. Theo sobrevive inexplicavelmente ao acidente em que a mãe morre, no dia em que visitavam o Metropolitan Museum. Abandonado pelo pai, Theo é levado para casa da família de um amigo rico. Mas Theo tem dificuldade em se adaptar à sua nova vida em Park Avenue, e sente a falta da mãe como uma dor intolerável. É neste contexto que uma pequena e misteriosa pintura que ela lhe tinha revelado no dia em que morreu se vai impondo a Theo como uma obsessão. E será essa pintura que finalmente, já adulto, o conduzirá a entrar no submundo do crime. 

O Pintassilgo, vencedor do Prémio Pulitzer 2014, é um livro poderoso sobre amor e perda, sobrevivência e capacidade de nos reinventarmos.. Uma brilhante odisseia através da América dos nossos dias, onde o suspense e a arte são dois elementos decisivos para agarrar o leitor.

- O melhor livro do ano 2013 na Amazon.com
- Um dos dez melhores livros de 2013, pelo The New York Times

Ao bom estilo de Tartt, O Pintassilgo tem 896 páginas :P
Este ano tenho feito por não comprar livros... quem sabe peço no Natal :D
Opinião:
Esta é mais uma história de Kate Morton cuja leitura se faz de forma calma e com prazer.
Uma narrativa que nos fala, não só, como o próprio nome indica: de amores secretos, mas também de mistério e crime à mistura!
Somos levados para o passado e para o presente dos três personagens principais - Dorothy, Vivien e Jimmy, com eles revivemos a angustia da Segunda Guerra Mundial - o sofrimento e a morte de quem lutou.
Kate Morton, nesta obra, segue o estilo de escrita patente nas suas outras obras - alternando entre passado e presente, fazendo referências a factos históricos... Achei também que, tal como nas suas outras obras, há o dar ênfase a certos pormenores desnecessários que fazem com a história pareça longa e sem avanço! No entanto, como já referi, Gostei!

Sinopse:
Laurel, actriz de sucesso, regressa à casa da família para celebrar o nonagésimo aniversário da mãe, Dorothy, que sofre de Alzheimer.
Esse dia recorda-lhe um outro, há muito esquecido. Naquele fatídico aniversário do seu irmão, Laurel estava escondida na casa da árvore, a fantasiar com um amor adolescente e um futuro grandioso em Londres, quando assistiu a um crime terrível, que mudaria a sua vida para sempre. Foi com terror que Laurel viu a mãe cravar a faca do bolo de aniversário no peito de um desconhecido. O regresso ao local onde tudo aconteceu é a última oportunidade para Laurel descobrir o temível segredo daquele dia e encontrar as respostas que só o passado da sua mãe lhe pode dar. Pista após pista, Laurel irá desvendar a história secreta de três desconhecidos que a Segunda Guerra Mundial uniu em Londres — Dorothy, Vivien e Jimmy — e cujos destinos ficaram para sempre ligados.
Uma fascinante história de segredos e mistérios, de um crime obscuro e de um amor eterno. Mais um livro inesquecível de uma das autoras de maior sucesso dos nossos tempos.

Promoções #12

Nova promoção FNAC.
Termina hoje.


Foi hoje revelada a lista dos candidatos a vencer o prémio de 2014.
Alguém quer arriscar o nome do vencedor?


Joshua Ferris
Richard Flanagan
Karen Joy Fowler
Howard Jacobson
Neel Mukherjee
Ali Smith

Destes autores, penso que apenas dois não foram traduzidos para português. Talvez seja um deles o vencedor...
Sinopse:
Ela tem algo que outra pessoa quer. A qualquer custo… Claudia parece ter a vida perfeita. Está grávida, vai ter um bebé muito desejado, tem um marido que a ama, embora ausente, e uma casa maravilhosa. Depois, Zoe entra na vida dela. Zoe foi contratada para a ajudar quando o bebé nascer, e parece a pessoa certa para o cargo. Mas há qualquer coisa nela de que Claudia não gosta e que a faz desconfiar. Quando encontra Zoe no seu próprio quarto, a remexer nos seus bens pessoais, a ansiedade de Claudia torna-se um medo bem real…

Opinião:
Eis um romance que se lê num ápice! Um thriller bastante bem escrito, que leva o leitor por caminhos interessantes da mente humana.
Cláudia e Zoe são personagens muito bem construídas, o seu passado e o seu presente estão bastante sólidos para que o leitor sinta afinidade e segurança na leitura.  Durante a narrativa, a autora dá pistas sobre o desenlace da história, no entanto, não é por esse motivo que o leitor sente desmotivação, pelo contrário, há uma grande curiosidade em saber como Samantha Hays fecha e justifica muitos dos acontecimentos narrados no início e que nos parecem pontas soltas. Note-se que o faz de forma magistral!

Adorei e aconselho!

Quem vai ler???

Quem vai ler o tão aguardado "No Limiar da Eternidade" de Ken Follet???
Li os outros dois volumes, este também vou ler!



vendo de outra perspectiva...



Sinopse:
Enquanto as decisões tomadas nos corredores do poder ameaçam extremar os antagonismos e originar uma guerra nuclear, as cinco famílias de diferentes nacionalidades que têm estado no centro desta trilogia O Século voltam a entrecruzar-se numa inesquecível narrativa de paixões e conflitos durante a Guerra Fria.

Quando Rebecca Hoffmann, uma professora que vive na Alemanha de Leste, descobre que anda a ser seguida pela polícia secreta, conclui que toda a sua vida é uma mentira. O seu irmão mais novo, Walli, entretanto, anseia por conseguir transpor o Muro de Berlim e ir para Londres, uma cidade onde uma nova vaga de bandas musicais está a contagiar as novas gerações. Nos Estados Unidos, Georges Jakes, um jovem advogado da administração Kennedy, é um ativo defensor do movimento dos Direitos Civis, tal como a jovem por quem está apaixonado, Verena, que colabora com Martin Luther King. Juntos partem de Washington num autocarro em direção ao Sul, numa arriscada viagem de protesto contra a discriminação racial. Na Rússia, a ativista Tania Dvornik escapa milagrosamente à prisão por distribuir um jornal ilegal. Enquanto estas arriscadas ações decorrem, o irmão, Dimka Dvornik, torna-se uma figura em ascensão no seio do Partido Comunista, no Kremlin.


Nesta saga empolgante que agora se conclui, Ken Follett conduz-nos, em No Limiar da Eternidade, através de um mundo que pensávamos conhecer, mas que agora nunca mais nos parecerá o mesmo.

O livro aqui na editora
A nossa 8ª leitura conjunta, aqui do blogue, incidiu sobre a obra de Steinbeck - Ratos e Homens.
Quem quiser participar, dando a sua opinião, pode fazê-lo na zona dos comentários, como já tem sido costume!



Opinião da Paula:
Esta é uma obra que nos fala do sonho e da esperança, porque quando nada se tem, nada resta senão sonhar. O sonho, de facto comanda a vida, fazer com que o caminho se torne possível torna-se um objectivo. Falar dos sonho, repetir esta “ilusão” em voz alta várias vezes e vezes sem conta torna-o quase real para aquele que sonha.
Esta história fala-nos de dois homens, dois amigos – Lennie e George. Lennie é um adulto cujo juízo é de uma criança, mas cuja força física é de um toiro. George é de físico miúdo, é quem toma conta de Lennie.
A solidão é terrível, não ter ninguém para falar é atroz, ter alguém de quem cuidar, estabelece laços inesquecíveis.

“(…) connosco é diferente (…) E porquê? Porque … porque eu tenho a ti para cuidar de mim e tu tens a mim para cuidar de ti, por isso”

Os dois homens buscam trabalho e conseguem-no mesmo em condições precárias, no entanto Lennie comete um erro e George tem de intervir magoando-se para o resto da vida!
A amizade, a solidão, o sonho, o trabalho das gentes pobre e necessitada, é uma vez mais bastante explorada por Steinbeck.  O autor, nasceu em 1902 em Salinas na Califórnia e viveu, ele próprio, numa família onde a riqueza não abundava, vivenciou as necessidades e as dificuldades dos mais desfavorecidos. Viu homens que lutam por viver com dignidade, mas que apenas conseguem sobreviver como ratos, comendo para sobreviver, vivendo em sítio incerto, vendo a morte e o medo em cada canto por onde passam. O medo, este sentimento maldito que se torna uma constante a cada momento da vida! Homens que pouco se distinguem de ratos!

Opinião do Vasco:
Sonhador. Fatídico. Solidário.
“Ratos e Homens” é um livro pequeno, que se lê rapidamente, apesar de a mensagem ser bastante forte. Ainda agora o é, sendo que nos tempos em que terá sido concebido o seria muito mais.
A obra não trata apenas do sonho e da ilusão, mas também da desigualdade, não só de direitos como de oportunidades.
A linguagem utilizada é tão simples da mesma forma que o são as personagens e o meio que as envolve.
No fundo, não obstante os obstáculos e as barreiras que todos têm de ultrapassar, a amizade e os sentimentos primários acabam por estar permanentemente presentes.
Não posso dizer que este tenha sido um dos meus livros favoritos, mas trata-se de uma narrativa que foca alguns pontos importantes acerca das relações humanas, seja do ponto de vista afectivo e mais intimo, seja de uma perspectiva social.

Blogger Templates by Blog Forum