Sinopse:
À entrada das pontes detinham os peregrinos, gritando o nome do rabi, rasgando os véus às virgens: e, à hora em que os cântaros se enchem nas cisternas, invadiam as ruas estreitas dos burgos, penetravam nas sinagogas, e batiam sacrìlegamente com os punhos das espadas nas Thebahs, os santos armários de cedro que continham os Livros Sagrados. Nas cercanias de Hébron arrastaram os solitários pelas barbas para fora das frutas, para lhes arrancar o nome do deserto ou do palmar em que se ocultava o rabi – e dois mercadores fenícios que vinham de Jope com uma carga de malóbatro, e a quem nunca chegara o nome de Jesus, pagaram por esse delito cem dracmas a cada decurião. Já a gente dos campos, mesmo os bravios pastores de Idumeia, que levam as reses brancas para o Templo, fugiam espavoridos para as serranias, apenas luziam, nalguma volta do caminho, as armas do bando violento. E da beira dos eirados, as velhas sacudiam como taleigos a ponta dos cabelos desgrenhados, e arrogavam sobre eles as Más Sortes, invocando a vingança de Elias.
.
A minha opinião:
Não conhecia este pequeno/grande conto de Eça de Queirós. Um conto muito simples com uma mensagem muito forte.
Não basta querer, há que acreditar e desejar com fé.
Aconselho esta pequena leitura.
.
O conto aqui
.
Obrigado Manuel e Poeta pela dica ;)

16 comentários:

    Acabei de reler.
    É uma das coisas mais simples e belas que Eça escreveu. Um conto capaz de emocionar o mais empedernido dos corações.
    Cada um tirará as suas conclusões, mas a minha é esta: muito mais importante do que procurar com desespero, mesmo usando meios grandiosos e fortunas materiais, é ter esperança. É acreditar.

     

    Manuel,
    Concordo contigo, é muito importante acreditar, aliás é fundamental :)
    Um abraço

     

    Lindissimo!...Guardei para contar .
    Adorei, é para mim precioso e mais vindo do Eça.

    Muito obrigada.
    Áurea

     

    Olá Paula

    Mais uma bela recordação!
    Li pela primeira vez este texto no ensino básico e desde aí,sempre que possivel, nunca mais deixei de o reler.
    Gostava que a minha fé e esperança fossem tão grandes como as da criança!

    Abraço e obrigado

     

    Em 1972 estudei O Suave Milagre no liceu. Foi a primeira obra de Eça de Queiroz que li. Talvez por ser tão belo, embora nunca mais o tivesse lido, ficou-me sempre bem presente na memória. Voltei a lê-lo hoje.
    A candura transmitida pelo conto àquele adolescente de então, foi a mesma que este homem bem veterano hoje recebeu.

     
    On 13 novembro, 2009 Ana disse...

    Olá Amiga!

    Tenho três coisinhas fofas para te oferecer!

    Excelente fim de semana!

    Beijinhos!!!!

     
    On 13 novembro, 2009 SP disse...

    Eça de Queirós é o meu escritor português preferido.
    Li a maior parte das suas obras e adoro. O conto é o "estilo" de literatura que gosto mais, em poucas páginas sabemos qual o desfecho. Agrada-me não esperar 300páginas pelo final.
    Quando li este conto, integrado na obra de contos que se vende, fiquei completamente extasiada. De tão simples e tão forte.

    Muito bom.

     

    Áurea,
    Eu também não conhecia :)

    Argos,
    Basta que acredites e serão :)

    Ana,
    Obrigado :)

     

    Poeta,
    As memórias de que mais gostamos, são sempre boas de reviver :)
    Um abraço

    SP,
    Como já referi, eu não conhecia o conto. Mas jamais esquecerei :)
    Um abraço

     
    On 14 novembro, 2009 Anónimo disse...

    Lindo conto. Belíssimo. E pra quem quiser ler 10 contos do Eça http://pt.wikisource.org/wiki/Categoria:Contos_(E%C3%A7a_de_Queir%C3%B3s)

     
    On 14 novembro, 2009 Rubi disse...

    Ele é fabulástico!

     

    Anónimo,
    Obrigado pela dica.

    Rubi,
    :)

     

    Uma linda sugestão de leitura, aliás essencial ler Eça de Queiroz

     

    Olá Paula

    Li pela primeira vez "O Suave Milagre" quando andava no liceu/ensino preparatório (não sei agora como se chama, tudo está a mudar!...) e foi um conto que me impressionou bastante. Daí a necessidade de o voltar a reler várias vezes ao longo da minha vida.

    É uma das belas histórias do nosso querido e grande Eça.

    Uma feliz e muito boa sugestão de leitura que agora nos apresentas.

    Beijinhos

     

    Tenho este livro por casa!...
    Nunca tinha lido nenhuma opinião sobre esta obra, mas ao que parece tenho em minha posse uma pérola da literatura e não fazia ideia!..

    Subiu no montinho de livros para ler =)

    Boas leituras*
    Estrela

     
    On 20 setembro, 2012 Anónimo disse...

    Começei a ler este pequeno quanto por causa da disciplina de portuges e gostei muito :

     

Blogger Templates by Blog Forum