A Identidade - Milan Kundera

Opinião:
Penso que com esta história, Milan Kundera alerta-nos para o facto de se perder a identidade quando se ama alguém, ou melhor o casal funde-se formando uma só identidade. Eu pessoalmente não concordo com este conceito. Por mais que se goste de alguém, as pessoas continuam a ter a sua personalidade/identidade. A não ser em casos doentios claro! Mas nesse caso a pessoa em causa perde-se de si mesma!
Apesar da primeira parte da história fazer alusão a esta ideia (identidades que se fundem), o certo é que no decorrer da narrativa, este conceito vai perdendo força uma vez que Jean Marc acaba por trair a confiança de Chantal. Nesta parte da história é evidente a ideia de que as pessoas têm de manter a sua liberdade nas relações, não podem viver em função do outro.
Chantal, que na sua mocidade “queria ser um perfume de rosa, um perfume expansivo e conquistador, queria atravessar assim todos os homens e, através dos homens, abraçar a terra inteira.”, contudo a sua metáfora da aventura adormeceu com o seu casamento e posteriormente com a morte do seu filho. Anos depois de estar com Jean Marc assalta-lhe a ideia de já não ser capaz de chamar a atenção dos homens! Acorda para a realidade com uma certa desilusão. Será que perdeu a identidade de outrora? Embora seja capaz de representar várias facetas, várias identidades, Chantal, deixa de se identificar com aquelas (identidades/facetas) que representa ultimamente. Até que alguém, lhe acende novamente a chama do gosto pela vida e Chantal tenta recuperar a sua identidade perdida…
Este foi o primeiro livro que li de Milan Kundera, não sendo uma obra genial, é uma obra agradável de se ler, cuja mensagem pode ter diversas interpretações.
.
Comentário também publicado no blogue destante

5 comentários:

    On 20 abril, 2011 Iceman disse...

    Olá Paula!
    Kundera é uma das minha falhas literárias, pois nunca li nada dele e confesso que nunca me senti atraído pelos seus títulos.
    Mas penso que é uma questão de tempo.

     
    On 20 abril, 2011 Paula disse...

    Olá Iceman,
    Tenho ouvido falar maravilhas da "Estranha leveza do Ser". Mas também não será para já.

     

    A "Estranha Leveza do Ser"?
    Imperdível!

     
    On 20 abril, 2011 Paula disse...

    Teresa Santos,
    Pois, é o que tenho ouvido dizer :)

     

    Olá Paula,
    Há muitos anos que não leio nada deste autor. Fiquei com vontade de voltar a ele.
    Para além da "Insustentável leveza do ser" (fabuloso!)li o hilariante "O livro dos amores risíveis" que recordo frequentemente, até porque o emprestei e nunca mo devolveram. É um livro (várias pequenas histórias de amor)muito, mas mesmo muito engraçado. Tenta encontrar que vais adorar.

     

Blogger Templates by Blog Forum